Sobre promessas muito loucas

Rumo ao imaginário

Quem mora no Distrito Federal sabe que a campanha aqui tem um componente de pura bizarrice no programa eleitoral televisivo. O componente atende pelo nome de Weslian Roriz que já prometeu: cancelar todas as multas dos eleitores brasilienses, levar o Papai Noel (azul, lógico) para as cidades-satélite e criar estações de metrô em cidades que nem existem.

Quando eu era criança, meu pai falava sobre um antigo candidato à prefeitura de BH que prometa levar o mar pra capital mineira e que iria acabar com as subidas. Depois desse ídolo infantil do período eleitoral, só ia ter descida.

O engraçado é que essa conjunção de promessas absurdas tomou conta da campanha do Serra também, a ponto de, em Minas Gerais, ele ter dificuldade de mobilizar prefeitos também por causa da dificuldade que ele impõe a eles ao aumentar o mínimo para R$600.

Serra prometeu obras do PAC que já existem; o tal 13º do Bolsa-Família, mudanças nas cobranças dos Royalties do petróleo que são impraticáveis; e outras bizarrices de um candidato disposto a rifar até a mãe.

O sub-editor de Economia da revista Carta Capital, André Siqueira, decidiu fazer algumas contas e demonstrou objetivamente que o candidato do PSDB não tem como cumprir as promessas que vem fazendo.

Como mostra o site Carta Maior, mesmo se ele fizesse um corte de 30% nos gastos (o que implicaria em fim de contratações para o setor público e diminuição de bolsas e de editais públicos), Serra não teria o dinheiro necessário. Vamos ao texto no site:

Consta no Orçamento de 2011 a proposta de elevar o salário mínimo para 538,14 reais. Serra propõe desembolsar 61,86 reais a mais por assalariado, para atingir os 600 reais. Apenas essa promessa de campanha custaria, portanto, 12,3 bilhões de reais. O montante é próximo ao orçamento total do programa Bolsa Família, atualmente em 13,7 bilhões de reais. Aliás, criar uma parcela a mais para o programa acrescentaria 1,14 bilhão de reais ao cálculo – em valores correntes. Finalmente, há o reajuste dos benefícios da Seguridade Social. Nesse caso, apelo ao cálculo do economista do Ipea, Marcelo Caetano, que avaliou em 6,2 bilhões de reais o esforço adicional exigido pelo presente oferecido pelo tucano aos aposentados e pensionistas.

No total, assinala o jornalista da Carta Capital, as promessas de Serra custariam cerca de 19,6 bilhões de reais aos cofres públicos. André Siqueira consultou, então, o especialista em contas públicas, Amir Khair, ex-secretário de Finanças de São Paulo, para indagar sobre a viabilidade das promessas de Serra, que batem de frente, sempre é bom lembrar, com as críticas que o próprio candidato e seu partido fazem ao que consideram ser “excesso de gastos” do governo Lula. Em primeiro lugar, Khair lembra que o gasto federal corresponde a uma parcela de 43% dos desembolsos totais do setor público. O restante fica a cargo das prefeituras e estados. Em segundo, assinala, cerca de 80% do orçamento federal está legalmente engessado com salários e outras obrigações constitucionais.

Considerando a pouca margem de manobra que resta ao Executivo, Khair imagina que um “choque de gestão”, – a receita preferida do PSDB – permitiria um corte de aproximadamente 30%. Seria um “sacrifício extraordinário”, diz o economista, e equivaleria a 2,58% do gasto público nacional, algo em torno de 9,9 bilhões de reais. Ou seja, mesmo se fizesse isso, Serra estaria conseguindo apenas a metade dos recursos necessários para cumprir suas promessas de aumentar o salário mínimo para 600 reais, de reajustar em 10% as aposentadorias e de conceder um 13° pagamento ao Bolsa Família. “E ele continua a criticar o endividamento público. Ao mesmo tempo em que promete elevar gastos sociais, ampliar investimentos e cortar impostos. Como, José?”, indaga o jornalista

Ou seja, para além do conservadorismo em relação aos direitos de minorias e a guinada em direção à religião, será um governo nascido ou na base do estelionato eleitoral (assim como o malfadado FHC de 98) ou na base de um arrocho que tornará mandatos federal, estaduais e municipais impraticáveis.

Nesse sentido, no ato com os ambientalistas, Dilma Rousseff ganhou a convicção do meu voto (até então votava nela por seu trabalho no governo Lula) ao argumentar com os manifestantes do Greenpeace por que não assinaria o compromisso pelo desmatamento zero:

Não faço leilão político para receber apoio. Eu faço propostas que eu sei que são viáveis. Cada um de nós aqui quer o desmatamento zero, mas há uma diferença entre querer e fazer, há todo um processo. Hoje o que nós assumimos é [redução do] desmatamento de 80% [na Amazônia] de tolerância zero com o desmatamento em qualquer bioma.”

Pode até soar antipático, mas sinceramente, só se governa conhecendo e admitindo os limites do estado brasileiro. Quando a candidata do PT defende a expansão do papel do Estado com  base na viabilidade econômica das propostas, ela está de fato agindo como uma postulante ao governo brasileiro e não como uma apresentadora de programa de auditório eleitoral.

Atualização: Propostas de Serra criam gasto de R$ 46 bilhões

7 comentários sobre “Sobre promessas muito loucas

  1. Apendicity foi demais, rsrsrsrss
    Sobre o momento do desmatamento zero, rolou um dejavu malufista pra mim. Num debate em uma das campanhas do governo paulista, Maluf acusou Covas de fazer corpo mole com o amarelinho (uma doença que atingia laranjais na época), e chegou a dizer algo do tipo “você ficou um governo inteiro e não fez nada, em três meses eu acabo com esse amarelinho”. Lá na agronomia só nos sobrou morrermos de rir.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s