O falso dilema

Eis que pra rebater um pouco da acusação que somos sectários e não damos a menor pelota para a direita, cito aqui um trecho muito interessante enviado pela newsletter (o tal Ex-blog) do César Maia, patrono do DEM e da nova sensação dos conservadores brasileiros, o deputado Índio da Costa.

1. A esquerda europeia está em declínio, uma vez que antes da crise não foi capaz de produzir soluções próprias, quando teve chance igual de fazer valer as suas idéias e corrigir os erros do capitalismo. É o caso da Espanha. Os socialistas no governo ficaram inicialmente paralisados, sem tomar medidas quando começou o declínio da economia e, em seguida, quando as tomaram, cortaram os benefícios sociais, o que parece um absurdo já que esse tema é uma de suas principais metas. A tributação dos mais ricos contribuiria para ajudar a preencher as lacunas e atenuar a injustiça das medidas de ajuste.

2. Ocorre, entretanto, que tudo ou quase tudo na história tem a sua lógica. A principal razão para esta falta de destaque da esquerda é que vivemos numa economia de mercado, sem substituto de hoje. Quando o sistema, quando vai bem, é eficiente, tanto que com ele, ainda que os ricos fiquem mais ricos, também permite o avanço do Estado de bem-estar social, tão importante para os sociais democratas.

3. Eles se esquecem que o sistema não é um paradigma de equidade, ou mesmo da racionalidade, tampouco de estabilidade. Os anos das vacas magras inevitavelmente chegam, resultando nos desequilíbrios que estamos sofrendo entre economia real e economia financeira, investimento e consumo, despesas públicas e incentivos do Estado, ajustes internos e globalização, problemas urgentes e melhorias em longo prazo, para além do conseqüente e grande desemprego que é o paradoxo do Estado de bem-estar social. E aí…

A teoria publicada pelo economista Francisco Bustelo, economista identificado com os socialistas espanhóis, no El Pais é antiga e atrela o sucesso de plataformas progressistas necessariamente a momentos de crescimento econômico, principalmente pela facilidade que esses períodos dão à ampliação de direitos trabalhistas e à expansão da rede de proteção social.

Segundo tal argumento, em situações de crise, os governos de esquerda respondem de maneira lenta e desajustada por que esses contextos demandam ajustes (e cortes) no welfare state. São períodos em que a aposta na eficiência da economia como indutora de bem-estar faz mais sentido do que uma política de fortalecimento do Estado e aumento de salários (mesmo porque o período é de corte de vagas).

Acho que esse entendimento mostra dois falsos dilemas que encerram muito bem a maneira da elite brasileira (se apresentando na direita ou na esquerda) entender a condução de políticas públicas.

De um jeito bem rastaqué, quem acompanhou as respostas brasileira para crise sabe que a fórmula segue outro preceito. A crise não chegou aqui por ação política. O crescimento posterior se deu por uma política agressiva de corte nos tributos, aposta no mercado interno e no aumento dos salários e da rede de proteção social.

A fórmula foi continuar a apostar na eficiência do Estado como regulador do mercado e agente na diminuição das desigualdades.

Muitas pessoas (e partidos) ainda tem a organização partidária da Europa como modelo e organização política (tanto do ponto de vista partidário como programático). Em alguns casos como o PPS (com o eurocomunismo) e o DEM tal identificação com partidos internacionais é quase uma tara (César Maia e sua internacional PPista ou democrata-cristã que o diga).

É uma política que procura uma agenda “moderna”, mas que necessariamente não tem povo. Um exemplo disso é a relutância desses partidos com as conferências nacionais, com iniciativas de orçamento participativo ou com medidas de compensação social direta (tipo Bolsa Família). Tudo isso lida com o que há de mais profundo nos problemas do Brasil.

No seu “A Revolução Brasileira”, ainda em 1966, Caio Prado Júnior já levantava a lebre contra o “etapismo” e a importação do modelo europeu de interpretação marxista, essa obsessão de tentar entender o Brasil ideologicamente continua arraigada na esquerda e na direita. Vale mais ter a informação de fora ou ser culto do que pensar a partir da realidade local, vale mais o novo do que o povo.

A resposta pra isso tá aqui ó, tem líder mundial que já sabe, só falta ouvir as pessoas, como Lula faz:

29 comentários sobre “O falso dilema

  1. Muito bom. É curioso como esse jornalismo inculto traz à baila formas de etapismo e de respostas automáticas toda vez que é acuada. Se antes, a esquerda mais impressa brasileira, se perguntava sobre uma revolução burguesa vindoura. Depois viraram eurocomunistas e falavam dos avanços na Itália e a tentativa de se participar do avanço constitucional. Falavam das coisas mais malucas e idealistas pra um materialista: civilização (mas uma civilização sem poder e nem violêcia), democracia como valor (não como uma estrutura de divisão do poder pura e simples), mas, mais do que isso, pensavam o Brasil pela falta. O problema do Brasil era não ser outro país. Assim, trocavam um nativismo meio doido por um complexo de nação.
    Hoje, é tempo para outro etapismo: o lance é acompanhar a maré. esperar o que os líderes dos países centrais responderem e depois pegar a onda. O velho mundo se despedaça, no entanto, esse pessoal ainda quer ruína. Depois vêm te falar de civilização, de cultura. Sinceramente, eu não entendo.

  2. nossa, vídeo demais do Lula hein?

    engraçado que eu estive na casa de um pesquisador de cultura popular aqui em SP, que faz o selo Mundo Melhor e estávamos falando de políticas públicas para cultura e ele malhou muito a forma de ver cultura do PSDB – e ele está bem longe de ser petista, diga-se de passagem. O cara usou mais ou mens o exemplo do Lula: o que acontece é que representantes de culturas locais como da Congada, reisado etc etc tem canais abertos diretamente com gente do Ministério. Existe diálogo factual. Ele mesmo falou o seguinte: “Eu, que sou abertamente crítico das políticas de financiamento estatal e da Petrobrás, sou consultado com frequência pelo assessor X do Ministro da Cultura em função das viagens que faço pelo Brasil captando produção musical da galera. E não é porque sou uma celebridade ou algo do gênero: é em função da mina pesquisa”. Daí eu falei do vídeo do Brown sobre o Serra e ele piou, porque achou que o negão sintetizou muito pontualmente a visão democrática dessa elite (elite? se lá, de certa classe média alta paulistana)representada pelo PSDB.

    Enfim, independente de ideologia, qualquer pessoa preocupada com o povo e não com novo e que faça jus ao polegar opositor sabe distinguir homens de crianças – e neste caso,crianças amedrontadas.

  3. Pos é, tá cheio de inocente que diz acreditar na democracia como forma insubstituível, mas é até perder. Depois fica dando alarme de todas as decisões dos poderes constituídos legitimamente. Esta insatisfeito? Acredita na democracia como uma forma racional de distribuir o poder?Elabora uma plataforma, apresenta pro cidadão brasileiro, bate chapa e vamos ver o que o povo decide. estou escrevendo uma postagem sobre o tesão que os conservadores têm por democracia sem povo, sem eleitor, sem cidadão.

  4. Legal o texto, Lauro.

    César Maia, quando não realiza prognósticos eleitorais, é um dos poucos caras da direita que gera um bom debate.

    O que eu acho que rolou aqui, foi que o CM parte de uma análise da situação do PSOE, ante a crise fiscal da espanha, e tenta extrair uma tese antikeynesiana que, no final fica meio estranha(o papel do estado seria aprofundar os ciclos econômicos, gastar na bonança e economizar nas vacas magras?).

    Nossas respostas foram outras porque não enfrentamos os mesmos problemas. Ao contrário das idéias do CM, no Brasil (assim como nos EUA) a esquerda tem mais amor ao equilíbrio orçamentário do que a direita.

  5. Com certeza Carlinhos, no Brasil talvez essa situação se deva também por que os partidos ligados à esquerda são quem orientou a institucionalidade partidária. Foi o PT o primeiro partido profissional de fato com estruturação capilarizada em todo território nacional e com a regular produção de documentos sobre a situação brasileira. As demais agremiações ainda tentam chegar a isso, mas estão muito longe desse papel.

  6. Acho que o César Maia falhou nessa, porque o 1º ponto ali endossa que a esquerda deveria ter agido conforme seus fundamentos. Não?

    Também entendo que não se pode dizer que as medidas anti-cíclicas tomadas pelo governo Lula façam parte da agenda socialista típica: Estímulo à mercado com renúncia fiscal, queima de reservas para ofertar crédito e aumento de gastos públicos só se assemelham à tradição das esquerdas quando dito pela ótica ramerrame dos liberais: imprudência de governo socialista/esquerdista/populista! Mas o CM nem sacou isso??? A realidade matou a dele. Faria sentido ele publicar isso ANTES do repique de 2008 desta crise, o que ainda assim seria uma aposta ERRADA. mas como o assunto Espanha foi posterior, entendo que ele tá se enforcando. Tanto que todo o mundo ficou de cara com a “marola” brasileira. Não foi isso ou li porcamente?

    Lauro, não ficou claro pra mim o elo entre a adoração das zelite brasuca por modelos europeus e a distância de povo/democracia/debate dessa direita brasileira. Nem o excerto do Sr. Bustelo e nem o modelo Berlusca de governar me parecem alimentar PPS e DEM. Pode clarear? 😉

  7. Ceará, na verdade isso está presente na busca de modelos pra se governar o Brasil.

    Dia sim e dia também, Roberto Freire e César Maia indicam quais são os padrões corretos de uma instituição partidária de esquerda e de direita. Para isso, apontam o modelo partidário europeu. Seja do PP Espanhol e da CDU alemão para Maia, ou do Democratici di Sinistra italiano e o PS francês para Freire.

    Para eles o proceder corretamente se dá pela semelhança do conteúdo programático, mas tambem nos ternos que cada um usa e no repertório musical que deve rolar nos jantares familiares desses zé manés.

    Nos anos 90, tanto no período Collor como no FHC, o principal argumento para todos os ajustes políticos e econômicos era estar integrado ao mundo e ao que estava acontecendo nos recantos mais modernos do planeta. A política previdenciária deveria ser a mesma de uma Europa já envelhecida e com vícios antigos, a política de ajustes salariais também; não era possível contrariar os cases tão frondosos da realidade global, mesmo que isso estivesse a anos luz de nossa realidade imediata.

    O sentido mais patético disso é que o PSDB é único partido que se determina social democrata no mundo que não tem ligação com sindicatos e tem uma plataforma claramente contrária às organizações de trabalhadores.

    Eles acham bonito se parecerem com os chiques social-democratas europeus ao pregarem a favor do bem-estar de uma sociedade remediada, desde que isso não conte com a participação política da maior parte da população. Ao chegar ao governo, tornam-se uma social-democracia sem welfare, mesmo por que já não era essa a “tein- dein – cia”.

    Não sei se vou te explicar direito, mas a condenação em massa das conferências nacionais é um bom exemplo. Para os partidos, tais eventos não reúnem pessoas diretamente envolvidas com os temas, mas militantes malucos que vão lá fazer bagunça e falar mal do capitalismo.

    Isso por que a organização de conferências para elaboração de Planos Nacionais (planos de longo prazo que pensam o estabelecimento do estado) colocam em pé de igualdade o militante e o especialista; os receptores da política pública, os agentes e os executores. Isso é muito radical e tem sido muito bem-sucedido do ponto de vista de construir elaborações complexas sobre o que deve ser o estado brasileiro.

    Isso é lógico vai ser mediado pelo congresso e pelas instituições eleitas para legislar e executar a política pública brasileira.

    Para esses partidos altamente ideologizados e completamente descompromissados das políicas de base no país, abrir os ouvidos e tentar construir políticas com os grupos interessados é atraso e até anti-democrático, por que não passa (em um primeiro momento) pelos filtros institucionais. É uma política conservadora e pouco criativa e que se recusa a entender a realidade do país, prefere viver em sintonia com o que há de mais moderno ( o que em si não é ruim, desde que mediado pela realidade nacional).

    Espero que tenha explicado e não tenha falado muita loucura.

  8. Agora você falou de forma clara o que já sabia mas, além de eu ser incapaz de escrever tão bem, pra mim faltava esse “elo”. 😛

    Pra não ficar só babando, então acho que na postagem original rolou um pulo do gato mesmo que agora matou. Os exemplos tão ótimos: Sociais Democratas sem base e sem conexão com sindicatos e desprezando Conferências? É o mundo bizarro!

    Outra coisa que acho incrível é que só vemos militantes de PSDB-DEM quando estes pagam transporte e sanduíche. É pura claque.

    Valeu! Tô com muita saudade. Dá um pulo logo aqui!!!

    Abração!

  9. muito bom Lauro. gosto muito do que vc fala sobre uma mania dos intelectuais brasileiros de fazerem uma “leitura” da situação daqui, meio como um destino estipulado anteriormente pela história européia. e, pior ainda, pela teoria européia, quase sempre apresentada como destino inexorável das coisas. e aí, quando o negócio dá certo, como no governo lula, fica a ferramenta caduca mas não se quer admitir. na verdade, neguinho detesta ver o povo feliz e prosperando. se as coisas degringolam, estava dado, dito e cumprido. por eles, evidentemente. detesto essa coisa de um “caráter nacional”. muito bom texto e resposta do lula pra moçoila.

  10. Um debate qualificado desses aqui e o expoente da oposição se portando como um barraqueiro no pleito mais importante do país. Com essa do Pimentel agora, o cabra deu a letra de que endoidou de vez.

  11. O post vinha indo bem até, como sempre, falar bem do Lula. Depois vocês reclamam que eu chamo ele de Pai Preto de vocês…

    O que o “líder mundial” de vocês faz é CAGADA em tudo que ele não aproveitou da HERNÇA MALDITA do governo FHC.

    Agora falar que vocês não são sectários e não dão a menor pelota para a direita! Vou tentar acreditar…

    Quanto ao dito, nova sensação dos conservadores, o Dep. Índio da Costa. Pq ele seria sensação? Só pq ele quer o embate e falou a verdade ao associar o PT às FARC? ELes não são amiguinhos do foro de São Paulo? Cujo um dos mentores é o MAC e que vocês já me disseram que é extremamente democrata. Claro, eu não avreditei numa insanidade dessas! Ele deve ser democrata em Havana, em Brasilia, garanto que não é. É por esses e outros motivos que a Dilma sempre tem compromissos de agenda para sumir dos bedates. E sempre vai fugir.

    OBS: Vídeo demais do Lula é esse falando do bolsa família, que ele, como sempre, roubou do FHC (su maior obscessão)

  12. Mais uma vez, cadê a argumentação? O texto é sobre modos de agir na política. Ningupem roubou nada de ninguém. Se você não fosse antipetista acima de quaquer coisa conseguiria participar do debate com alguma idéia, mas não, vem com as mesmas coisas… Como assim, o texto vinha bem até o Lula? Cara, argumenta, por favor, por que? Mostre as incoerências.

    Os jornalistas iletrados que você gosta fazem sucesso por apresentarem uma argumentação elementar que qualquer personagem de desenho animado concorda, mas é sempre um eles contra nós. A consistência é mínima. Por isso eles fazem sucesso com a classe média mal formada, por que não exige uma elucidação, parte pra generalizações e maniqueísmos baratos. Mas até agora eu não sei o que você quer, concretamente pro país.

    Mais a mais, porra, o Brasil tinha passado o píres no fundo três vezes até o fim do mandato do FHC. O país estava quebrado. Pare de tergiversar, apresenta algum dado vai …
    O mais importante do governo Lula é a recuperação do mercado de trabalho, da capacidade de investimento e do crédito, quem não entende isso, vai ficar lendo jornalistas brasileiros pro resto da vida. Olha que eu não tô rogando praga

    PS: Obsessão é com esse. O bolsa família rompe exatamente com a lógica de sexta básica. Tornou-se um dever de estado.

  13. De qual debate Dilma “fugiu” mesmo?

    Boa tentativa com vídeo ali, porém acaba depondo contra quem o fez, por implicar numa falha de interpretação de discurso (pra não dizer, é claro, mau caratismo). Lula fala na segunda parte sobre benefícios concedidos em época de eleição para serem trocados por votos. O Bolsa Família é uma política de governo, penso que não será necessário explicar a diferença.

    Aliás, é tão de governo, e tão importante, que o expoente da direita já disse que pretende ampliá-lo, já que na visão dele o programa deve ser acanhado. Eu se acreditasse no discurso da nossa direita não votaria num cabra desses. Mas tem gente que vota e defende, no fim das contas vai ver que é porque o cara empunha uma bandeira azul, já que no que se refere às ideias políticas….

    PS: desculpe, na última frase peguei pesado com o pessoal. Já foi fartamente explicado que o programa da direita parte do pressuposto que o grande problema do Brasil está no déficit de guerra com a Bolívia. Pelo desenrolar dos últimos dias, o diagnóstico está incluindo Venezuela e as FARC entre os inimigos a serem atacados nesta cruzada.

  14. Falou e disse Gilson, fora isso, esse papo da relação M. Aurélio Garcia e das Farc é a maior balela. Qdo acharam o computador do Raul Reyes, qualquer um que acompanhou o caso sabe que todas as menções diziam respeito a falta de acesso das Farc ao governo brasileiro.

    O problema é argumentar a partir de uma fonte de informação necessariamente ideologizada. O texto fala é dessa opinião mesmo.

    Se os EUA entram na war on terror ou na war on drugs, desse ponto de vista ideológico, o Brasil tem de ser sócio, pois é aí que mora a “defesa dos valores democráticos”. Nessa base já vi esses caras defenderem até tortura em Guantanamo Bay e Abu Ghrabi, até no Brasil.

    Se o Lula é um pai preto, um babalorixá, o antipetismo raivoso parece aqueles bispos da TV na madrugada gritando horrores sobre o apocalipse e fazendo qualquer coisa pra tirar os encoSCHtos que assombram o mundo e garantem o sustento deles. Menos crença e mais fato.

    Em relação às Farc, não custa procurar outras fontes de informação que não só a Veja.

  15. O Cesar Poli é o Mainardi no microcosmo guaciárico. Digo, deve ser mais honesto e menos medroso, porque Mainardi só precisou a justiça bater na casa dele que escapuliu pra Itália – aquela mesma que o nosso Cesinha ama né?

    Essa da FARC é de fuder, pior que os dólares nas garrafas de rum, hahahaha

  16. Hoje, para empresarios, o nefasto candidato demotucano aa presidencia fez uma critica pertinente ao governo Lula – mesmo nao sendo uma critica dificil de se fazer, ladrao de autoria que eh, nem nessa ele deve ter merito em apontar a obviedade. Ele nao disse bem assim, mas eu entendi isso:

    “As equipes responsaveis pela Receita, pela Politica Monetaria e o conjunto Casa Civil-Fazenda-Planejamento trabalham de forma independente umas das outras, em alguns momentos desarticuladas e em outros ateh em direcoes opostas.”

    Aih entao, Serra prometeu pastas “unidas”, em uma soh direcao, no seu governo. Sonha.

    Nesses e em outros pontos, alguns sao fruto da coalizao necessaria para se governar os Brasis, outros sao divergencias tipicas e que realçam a saude democratica e a representatividade plurarista desse governo, destes alguns exige uma chamada do Lula para aquela enquadrada federal, mas o que sobra… – e como sobra! – dah margem para um bom debate mesmo. O grafico das contas externas tah fedendo “logo ali”, como diria o Vanucci. E a galera passa a batata pro outro…

    Carlinhos, conta pra gente? 😉

    Abraços!

  17. Carlinhos e quem mais ainda estiver disposto, completando meu comentário acima:

    É “falso dilema” como diz o Mantega esse nosso déficit em conta corrente: “É o preço do sucesso brasileiro”? Estamos criando uma conta pra pagar no longo-prazo como às vezes dizem Kupfer, Nassif e a oposição nojenta?

    Podemos afirmar que setores de arrecadação, custeio e investimentos deste governo trabalham algumas vezes em direções opostas? E se confirmar, trata-se de um problema sério que devemos avançar nele?

    Abraços!

  18. Voltando,

    Eu tenho que reconhecer os avanços do governo Lula, não da pra fugir. Mas esses avanços sociais e economicos são muito mais pela manutenção de uma postura coerente e que já vinha sendo seguida do que méritos do PT. Se dependesse do partido, estavamos ferrados. Daí a entrada do Sr. Palocci na pasta da fazenda até ele fazer aquela merda…

    Não, não me convencem esses argumentos, que são furados, onde vocês endeusam “o cara”. Daí a história do Pai Preto…

    O post está bacana sim e tem muita coisa que eu concordo! Mas essa do Lula não dá. Quantas lágrimas ele vai soltar pra conseguir votos para aquela canditada idiota que ele fabricou? Eu não consigo entender como alguém apoia uma idiota como ela, que soa no mínimo falso, sem mérito nenhum mas, são ordens do Lula, né! Aliás, meritocracia não é uma das virtudes do PT.

    Falando do Bolsa Família, mais uma obra expropriada (terno bem revolucionário!) em favor do descobrimento do Brasil nos idos de 2002 pela companheirada. Serra se falar que vai acabar com essa bosta, perde a eleição! Simples assim! Falar que o bolsa família se tornou um dever do Estado, dá um tempo vai!

    Segue uma materia do o escritor e historiador chileno Jorge Castañeda: e que fala muito bem das contradições do do PT. Isso é ideologia pura petista e tende a aumentar caso a Dilmova ganhe. Dessa forma terei, assim como Diogo Mainard, me mudar para a Itália ou quem sabe uma democracia mais evoluída que o PT apoia. (são tantas: Venezuela, odne sobra democracia; Bolívia, Irã, Cuba e aquele monte de ditadores africanos…)
    http://oglobo.globo.com/economia/miriam/posts/2010/07/28/castaneda-brasil-nao-consegue-dizer-que-as-farc-sao-terroristas-311721.asp

    OBS: velot wamba, seu comentário ficou interessante porém, essa das FARC não e´de fuder, é realidade meu caro colega. (HA!achou que eu ia escrever companheiro!!!)

  19. Cesar Poli, na minha humilde opinião você é troll e não merece comentário. Não aproveito NADA do que você escreve aqui. É um saco!

    Numa boa, se não for troll, é muito burro.

    “This boy is like a tape loop”

  20. Alexandre Ceará,

    Quanta coincidência! O que esperar de um companheiro petralha como você? Tudo que vai contra as suas idéias, ou ideias esquerdinhas é burro, ruim, etc…

    Me chama de burro! Você vota na Dilma, isso sim é motivo suficiente para te chamar de burro e eu não o faço.

  21. Ceará, eu acho que é as duas coisas: preço do sucesso e conta pra pagar.

    Mas eu não sei a que se referia o Serra quando falou nessas direções opostas aí. Discurso de candidato normalmente não é muito claro.

    Cesar Poli, pessoalmente, acho bom que vc siga postando os seus comentários. Acho até que vc deveria comentar os posts que não envolvem o diretamente o debate eleitoral. Como diz o Serra, “dá pra fazer”. Por exemplo:
    – “Randy Newman é tão ruim quanto o programa de governo da Dilma.”
    -“mais bonito que Forlan só o Heráclito Fortes”
    -“Eu gosto do Rafael Campos Rocha, mas artista de verdade é a Regina Duarte.”

  22. 1 – Carlinhos, Eu já comentei outros posts sim, aliás, fiquei esperando algumas outras opiniões no post sobre o caos de transporte. você sempre foi muito bacana nos comentários e sempre está disposto a ouvir o outro lado. Isso é fantástico! Apesar de nã ote conhecer pessoalmente, vou dizer como vocês: Vc é um dos meus ídolos máximos aqui do Guaci! E olha que eu fui ungido com o título de “Diogo Mainardi” do microcosmo guaciárico.

    2 – Segue um texto fresquinho, de outro troll, só que esse troll é muito mais burro que eu.

    http://www.olavodecarvalho.org/semana/100728dc.html

    3 – Alexandre Ceará, espero que você aproveite alguma coisa desse texto “troll”, já que você, ao contrário de nós trolls, é inteligente. Digo mais, estou ancioso para ver um vermelho e azul seu nesse texto! (explico caso não saiba: texto fica em azul e você, que é esquerdinha, tenta descontruir em vermelho.)

  23. KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK.

    Cara, foda que o tal do Cesar “promete e não cumpre” mais do que qualquer político existente. Já prometeu que ia me dar passagem pra Cuba, eu aceitei, ele não deu. Seria BOM demais a Dilma ganhar e ele ir pra Itália com o Mainardinho. Mas duvido que ele cumpra essa.

    Mas o Carlinhos até já deu umas frases prontas pra ele participar dos outros posts. Muito chato o mesmo cunversê nos posts do debate eterno entre o Bem e o Mal, kkkkk.

    E colega é melhor mesmo, porque companheiro nem de cela. PRAW.

  24. Olavo de Carvalho não né? César, não sei se você sabe, mas existem conservadores mais preparados que esses bobões da internet. E, por favor, petralha, esquerdinha, isso não é nem infantil, é estúpido mesmo. Cara, tenta pensar o Brasil, veja o que existe de específico, esqueça esses autores de bula, eles são simplificadores, gente muito, mas muito fraca, que apresentam um raciocínio de nós contra eles. Causam conforto em quem quer alguém que legitime as suas convicções, mas não apontam para nenhuma questão, não problematizam nenhum modo de pensar, é só convicção de quem acha que nasceu sabendo.

    Ninguém aqui concorda com ninguém, em uma postagem recente eu e o Carlinhos discutios bastante, em diversos posts isso acontece, mas problematizamos idéias nossas e dos outros. Você não é a mesma ladainha. Não vem fazer proselitismo tolo. quer problematizar problematize as idéias (existem diversas formas de se fazer isso, não só dos bestas da internet que você lê).

    Por fim essa história da Farc é uma besteira (o que isso tem a ver com a política pública?) e não me parece muito democrático dizer que quem vota na Dilma é burro. Você acha que as pessoas que não concordam com você não foram despertas pela luz divina? Como tu és pedestre.

    Mudando de assunto, filho bonito todo mundo quer a paternidade. A oposição que chamava o Bolsa Família de bolsa esmola na eleição passada, agora quer a autoria da iniciativa. Olha, não digo que não houveram iniciativas de renda mínima no governo anterior, mas foram tímidas, muito tímidas, dispersas e confusas.

    Pôxa, a Ruth criou políticas de complementação da renda, mas tanto no cadastro, como nos valores monetários e no sentido elas eram muito, mas muito diferentes das do governo Lula (sobretudo depois da gestão do Patrus). De resto, a política social forte do governo nem é essa, mas a recuperação do trabalho com carteira assinada e o SUAS.

    Respondo com muita pressa, mas César, com todo o respeito, se você quer levar o país a sério, estudar isso, comece a ler autores mais sérios. Autores que muitas vezes nem deixam muito clara a sua posição política, autores que pensam mais questões que reafirmam convicções ideológicas arraigadas em um público muito pouco lido (mas que presume saber tudo). Senão fica nessa de doutrina. Autores que não reforçam convicções, mas têm dúvidas e pesquisam pra respondê-las. Infelizmente, esses autores não são colunistas.

    Claramente, você não tem familiaridade com outros que não ideólogos. O Olavo de Carvalho é um ex-astrólogo que se tornou paranóico. Além disso, faz campanha de sites de membros da KKK. Alguém que se preocupa com o que o Stallone disse, convenhamos, tem muito tempo a perder. eu, não perco o meu tempo com esses tipos. Aliás, esse papo de azul e vermelho é o que? Crítica? Aprenda, existe uma palavra na língua portuguesa, mas provavelmente você não está familiarizado, o que não é um problema, mas pra que sempre ir conversar como sabichão? Desculpe-me, mas tente entender o raciocínio dos outros. A vida não é o bem contra o mal.

    Pouco importa tudo isso que você postou. São só posições fixas sobre tudo. Não se problematiza nada. Pôxa, estou preocupado com outras coisas a mais do que o petismo, antipetistas, anticomunistas tardios. Nem ia responder, mas toda vez é a mesma ladainha. Até o vocabulário vem de colunistas com fãs. Coisa triste.

    Chega, vamos virar a página. Agora eu vou encontrar a minha amiga Natália Viana e o amigo dela Al Pacino.
    ciao

  25. Depois das FARC volta o caso Celso Daniel. Prevejo dólares de Cuba e sequestro do Abílio Diniz invadindo o noticiário nos próximos dias…

  26. Só pra conhecimento: eu também quero que o Brasil melhore, quero saber de politicas públicas e etc…

    O que eu não quero é saber do PT, não concordo e acho o partido criminoso. Acho absurdo vocês endeusarem um analbeto funcional por ele ser de esquerda e seu governo que deu certo! O governo Lula deu tão certo quanto o de Álvaro Uribe, como falado em post posterior. Só que ainda bem que o Uribe é capacho dos EUA e não precisa fazer política externa idiota e vexatória.

    Só isso, vou tomar uma breja agora!

    abs

  27. Cesar Poli, você não quer pensar nem problematizar questão nenhuma que propusemos aqui. Nunca vi você levantar um problema conceitual, sempre fala as mesmas coisas. Tudo igual. São opiniões. Opinião é importante, mas muito pouco. Não respondo mais palpite e nem ofensa. Não me interessa. Quero saber de questões, não de besteiras nesse nível de banalidade. Continue injuriando sozinho e leve os seus preconceitos pra longe daqui. Um dia você explica alguma coisa além da associar boa política externa e submisão aos interesses dos EUA sem pestanejar.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s