Mundo Novo e 100 anos da CNT, por Arthur Dantas Rocha

O Arthur pode ser considerado um integrante do Guaciara só pela quantidade de comentário publicados aqui nos posts.  Além disso, ele já publicou um texto por aqui e de vez em nunca posta algumas coisas no seu ótimo blog. Amigão nosso de longuíssima data, ele sempre botou pra quebrar nas discussões de som, política e nas bobajadas da vida. Nesse texto meio autobiográfico, ele arrepia o moicano e dá uma emocionada aqui nos sócios do Guaci ao falar sobre como o anarquismo entrou na vida dele e qual a importância dessa ética de se relacionar com o mundo em todo movimento da esquerda.

Fala por causa disso, um pouco sobre a minha vida (diretamente) de um jeito muito bonito e certamente sobre a de muitos leitores do blog.

Com isso, o nosso camarada – esquerdista, romântico e descontraído- homenageia os 100 anos de uma das organizações mais importantes na história das lutas sociais da esquerda, a CNT e, repito, deixa todos nós emocionados. Vale a pena ler.

Imagem famosa de Robert Capa

Para os chegados, a minha motivação para escrever este texto é óbvia. Mas vamos lá: diria que desde a quinta-série, ainda em Santo André, acabei me deparando com política – minha escola tinha um Grêmio Estudantil muito forte e eu me identificava com a galera (talvez por andarem de skate e alguns lerem quadrinhos), o PT lá era algo muito presente, comitês de bairro, minha mãe sempre identificada com o Lula e tal (meu pai, operário, curiosamente votou no Enéas em 1989), um lance de base muito interessante. Sem contar que vivi na pele a transformação cultural do primeiro mandato Celso Daniel por lá – isso renderia outro texto. Mas meu temperamento era outro – mais vísceras menos cérebro.

Quando mudei pra Pouso Alegre (mineirismo por opção) – revoltadíssimo por ir embora e devidamente aplicado em Garotos Podres, Vírus 27 e Dead Kennedys por meu irmão mais velho (eu curtia metal mesmo), várias coisas começaram a fazer sentido e a cidade caiu como uma luva pra mim. Desde que me entendo por gente, sempre fui chegado em livros, jornais e gibis. Em Piei, conheci uma galera que curtia muito rock e mais centrado no aspecto comportamental do punk, razoavelmente bem instruída perto da minha chucrice de então: era o caso do Lauro e do Tiago. A casa deles era – como diria um amigo comum de BH, o C.U.P.A (Centro Underground de Pouso Alegre): um mundo novo abriu através dali, de relações sociais, culturais, de forma de ver a vida. Lá, pela primeira vez na vida, descobri que biblioteca em casa não era coisa de novela – eu só conhecia as públicas.

Quem conhece a galera toda especial da cidade e o astral da casa dos Mesquita sabe do que falo. E pelo rock e os quadrinhos, pra resumir a coisa toda, cheguei a uma posição política que coube como uma luva em mim: o anarquismo . O Tiago, esse querido amigo mui respeitável, era uma espécie de pensador anarquista local – lera um punhado de boletins/zines anarquistas e os dois volumes do George Woodcock sobre o assunto (essa é minha lembrança mais forte) e sempre teve esses insights brilhantes que ele tanto gosta de socializar, que vão, para citar uma dupla de MCs geniais, do crucifixo até xoxota. Lá na casa deles, ao mesmo passo, entendi um pouco mais do PT – seus pais eram/são figuras importantes do partido na cidade. E o mais importante: descobri que revolta e descontração eram compatíveis. E é o que faz eu ser eternamente grato a essa família.


trailer Terra e Liberdade


primeira parte de um documentário sobre os anarquistas espanhóis

Salto temporal. Todo mundo vai para São Paulo, Tiago fica mais consequente (uma palavra que ele usava muito na época), Laurose rockstar como sempre (sou fã do Space até hoje) e eu cada vez mais envolvido no anarquismo/punk rock. Para o bem e para o mal. Nesse interím, havia comprado o O Que é Anarquismo? (livretinho safado), Deus e o Estado e Escritos Contra Marx, de um pensador que mexia com minha cabeça e sobretudo com as vísceras: Mikhail Bakunin . Tudo pelo correio. Daí pra frente, foda-se PT, foda-se Estado e o escambau.

“Carregamos um mundo novo em nossos corações, que cresce a cada instante. Neste exato instante ele está crescendo”- Buenvaventura Durruti

Aconteceu de virar um cdf sobre o assunto, conhecer a história das lutas anarquistas de cabo a rabo e fazer uma biblioteca sobre anarquismo/comunismo de esquerda bonita de se ver. E fiz muitos amigos e conheci lendas do meio, como o Maurício Tragtenberg e o Jaime Cuberos (dois autodidatas incríveis) que muito me impressionam até hoje; tanto eles quanto boa parte dos amigos anarquistas que estimo – com os quais não compartilho mais do “nobre ideal”, me sentindo próximo ao autonomismo –, tem uma virtude que é algo que persigo muito: manter relações éticas com o mundo.

O anarquismo pode estar velho, caduco, mas a ética destas pessoas impressiona muito. Isso é motivo de chacota inclusive por parte de muito esquerdista que acredita que os fins justificam os meios sempre. Daí, me parece importante falar sobre os 100 anos da Confederacion Nacional del Trabajo da Espanha, desde sempre, a maior organização anarquista do planeta. Na Guerra Civil espanhola – o que, curiosamente os antiautoritários chamam de Revolução Espanhola – de 1936/39, chegaram a ter dois milhões de associados.

Hoje, junto com a CGT (central derivada da própria CNT), tem pouco mais de 40 mil afiliados. É daí que surgiu uma espécie de Robin Hood/Che Guevara local, Buenaventura Durruti, por exemplo. Se a guerra civil, para a historiografia mundial, marca o fim do idealismo socialista como horizonte possível, para os antiautoritários de diversas estirpes é uma espécie de paradigma.

O filme do Ken Loach sobre o assunto, o Situacionismo, a regravação de hinos do período pelo The Ex, o nome da banda Mano Negra (uma organização anarquista que lutou contra o franquismo), o próprio punk, os punhos cerrados, o teatro do Living Theater, o feminismo, a Nova Esquerda estadunidense (na figura de Noam Chomsky, Paul Goodman e Murray Bookchin por exemplo), certas vanguardas artísticas e uma certa banda pop que emplacou um dos maiores hits dos anos 1990, são exemplares disso.

E, durante o período do ressurgimento do movimento anticapitalista global (“Povo de Seattle”, altermundistas, chame como quiser), a partir de 1999, o período onde fui mais politicamente ativo (comitê pró Timor Leste, luta pela liberdade de Mumia Abul Jamal, manifestações contra a ALCA e pelo vegetarianismo, organizações anarquistas, criação de um espaço anarquista em SP, grupos apartidários na USP, greves etc etc), foi onde mais falou-se/pensou-se sobre a luta espanhola na minha vida.

Se eu não me orgulho de tudo que participei na política , resta o imaginário das transformações que os anarquistas realizaram n’O Curto Verão da Anarquia, para citar o pensador H. M. Enzensberger. E eu ainda possuo algumas utopias porque “uma civilização que, de maneira sistemática, recusa o valor da imaginação e a destrói, está condenada a soçobrar numa barbárie cada vez mais profunda”, como diria o crítico de arte anarquista Herbert Read, curiosamente falecido no mítico ano de 1968.

vídeo Ex

Durruti

Homenagear os “rebeldes que falharam”- só pra citar um poema do próprio Read, me parece sempre  fortuito. E os espanhóis fizeram isso lindamente, recuperando as partituras originais dos dois maiores hinos anarquistas, “Hijos Del Pueblo” e “A Las Barricadas”, e as regravando com arranjos atuais. A primeira foi composta por um tipógrafo, Rafael Carratalá Ramos e se tornou hino na Primeira Internacional. A segunda é uma versão de “Warszawianka” ou “Varsoviana”, canção composta na prisão pelo poeta polaco Wacław Święcicki, em 1883.

Em 1933, foi publicada a partitura no jornal “Tierra y Liberdad”, em Barcelona, com letra de Valeriano Órobon Fernandez e arranjos musicais para coro de Angel Miret.  Porém, as gravações existentes mais antigas eram de péssima qualidade. Daí a ideia da regravação em comemoração aos 100 anos da CNT. Com a ajuda de pessoas várias, foram resgatadas partituras e o compositor Juan Manuel Yanke começou a trabalhar com os materiais. Após vários meses de trabalho, em 14 de novembro de 2009, gravou-se as faixas no Conservatório “Juan Crisostomo de Arriaga” de Bilbao. Sobre as regravações você pode saber mais aqui e os vídeos das músicas vão abaixo.

Bom, sobre a validade das ideias que essas canções representam, fica para outra ocasião. O que sei, é que os guaciáricos residentes também acreditam que de nada vale pensar política sem algum valor utópico no horizonte, não? Em boa parte é a falta de utopia que faz gente de direita me brochar.

P.S: só para constar, até que se prove o contrário, voto na Dilma. PRAW!

30 comentários sobre “Mundo Novo e 100 anos da CNT, por Arthur Dantas Rocha

  1. 1- Por essas e outras que o Rafael já dizia: uh, tererê, punk do pt.

    2- Faltou você falar ainda sobre seu envolvimento com a ala descontração do anarquismo. Roberto Freire e Somaterapia lhe diz alguma coisa? hahahahahaha
    Eu sei o que você fez no verão passado.

  2. Bonito demais Arhur. Apesar de nunca ter dado muita bola pro anarquismo, no geral boa parte das coisas que eu me identifico tem esse viés. No livro do Eszemberger tem uma coisa curiosa sobre a CNT que pouca gente fala, que é o caráter de base da central sindical. Ela cresceu na Espanha por ser mesmo pouco burocrática e muito mobilizadora, isso dentro de uma estrutura capitalista muito rudimentar da Espanha na época.
    Ao invés de seguir os preceitos da rígida estrutura do Partido Comunista ou mesmo de um elitismo de princípios do POUM, a CNT era amarrada em uma idéia de base, de resolver as coisas mais fundamentais sempre colocando um novo modelo social em perspectiva, mas sempre a partir de questões muito práticas.

  3. um dos lemas da CNT, proposto pelo Garcia Oliver – um dos cangaceiros que tocaram o puteiro aqui na América Latina com o Durruti antes da Revolução na Espanha – era “as ideias são importantes, mas melhor são as ações”. No filme Libertarias, do Vicente Aranda, ele mostra umpouco disso, e, inclusive, porque a CNT conseguiu mobilizar o campesinato também. Pena que haja pouca coisa publicada sobre o assunto por aqui. Li tanto sobre isso que daria pra fazer um blog só sobre isso.

  4. Zoio, querido: SOMA é uma revista muito legal da qual participei e ainda colaboro. Você pode conhecê-la aqui: http://www.maissoma.com
    Agora, do Roberto Freire, grande são-paulino, mulherengo e péssimo anarquista, eu só lembro de uma vez que você me levou na casa dele! PRAW

  5. Tive que resolver um treco rápido na rua. Quem fez a introdução foi o Laurose. Mas minha admiração pelo Arthur já não cabe em Saturno

  6. zé maria até não poder mais. ta fazendo falta aqui nas minas gerais. chegae tutu, vamo contar umas mentiras por aqui !! bjão

  7. muito legal, velotrol, que bom que você não vai mais ficar gastando neurônio na “extinta tupi”…

  8. Toma sua linha, Alberto!
    Falando nos Mesquita, o mês de maio se aproxima e isso me lembra algo bacana demais, cheio da boa e velha descontração de Piei!
    No mais, meu brô é foda mesmo e não me canso de tecer elogios amorosos, além da devoção eterna a ele!

  9. Neguinho ainda vem falar de Rambo, o Durutti fazia barricada com cavalo morto. Que mariner o quê?

  10. Ale, num fala assim. Toda essa discussão ambiental que agora parece crucial, era bandeira anarquista faz décadas. Muita discussão sobre o autoritarismo de organizações supostamente mais livres também, a ideia de descentralização, rediscussão do espaço pública, de grandes centros etc etc. Conheço ainda grandes pessoas/ativivistas/pensadores que se agitam por trás da TV Tupi. Vai que dá um bug do milênio e num reaparece a TV Tupi. Nada é sagrado, tudo é permitido…

  11. Conversando com o Tigas e lembrando aqui do ministro Orlando Silva todo riléqui curtindo um Jards Macalé e Jorge Mautner, lembrei de uma cena exemplar da descontração esquerdística de piei: quando o Garotos Podres – minha banda punk do coração – tocou em Piei, o glorioso/amado Mesquitão ficou lá do fundo curtindo e cantando as músicas. Daí pra frente, é eu ficar bêbado pra pedir pra ele tocar Garotos Podres no violão. Igual o Baguinho pedindo pro Lauro tocar Husker Du em todo show, hahahahhah!

  12. votar na dilma não é mais que obrigação, né puro? velotinho, bakuninho, tinhorinho, vc dá trabalho mas em momentos como esse paga a conta! um “PRAW!” do seu amigo grunge.

  13. Caraio, serei eu um Tinhorão? Morrer sem mulher e com um monte de tranqueira em casa e o mundo me achando antiquado? FU DE U

    Preferia quando o Jay no blog antigo dele dizia que o Trânsito, o blog que fazia com o Camaras era contracultural. Me sentia o próprio Luis Carlos Maciel, hahaha

  14. Arthur, existe algum registro historiográfico sobre o CCS? Se não, seria importante alguém fazer. eu tenho muita coisa lá em casa. Do CCS, do jornal o Inimigo do Rei. Tenho tudo isso na casa dos meus pais.

  15. Tem, o que anarquista é bom em fazer é biblioteca/arquivo. O próprio CCS tem, o espaço Ay Carmela, a FARJ no Rio, a FAG no RS… uma porrada. Seria legal doar esses ances pra USP, que tem quase nada sobre questões ligadas ao anarquismo brasileiro. A Unicamp tem a biblioteca do Edgar Leurenroth e a FGV a do Maurício Tragtenberg.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s