Futebol Arte, por Rafael Campos Rocha

Qualquer um que acompanha o Guaci já sabe que o Rafa é nosso ídolo. Se já não bastasse as histórias em quadrinhos cada vez melhores, as esculturas, instalações e traquitanas, ele ainda tem muito a falar sobre futebol e arte.

Por causa disso ele produziu uma série de vídeos sem som em que explica a relação entre gênios da pintura e da bola, sem saudosismo e nem caretice – como sempre, diga-se de passagem. Vale a pena assistir tudo, inclusive vale a pena ver tudo que ele faz (a página dele no YouTube tá demais):

Romário é Mondrian

Rivaldo é Courbet

Zidane é Velásquez

Lionel Messi é Wilhelm Sasnal

E, de brinde, uma entrevista com o Rivaldo, também indicada pelo Rafa.

19 comentários sobre “Futebol Arte, por Rafael Campos Rocha

  1. Que coisa linda viu. Ficou muito bonito. Eu não conhecia a comparação do Raldo com o Courbet, mas é muito boa. Só não acho que o Courbet tinha tantas opções técnicas quanto o Rivaldo por um motivo: a recusa a cor. Mas essa aparência ao mesmo tempo troncha e maravilhosa parece as marinhas do Courbet mesmo.
    Como o Rafael já sabe, eu gosto de comparar o Rivaldo (que é um ídolo nosso) com o Rothko. Acho que ele tem algo do deslumbre técnico e de recursos e uma espécie de suspensão da gravidade. Como se tudo estivesse para desmoronar, mas não desmoronasse. Nesse sentido, poderíamos compará-lo ao Giacometti e até ao Richard Serra.

    A comparação do Messi com o Sasnal me pareceu mais biográfica, mas achei uma homenagem muito bonita a ambos. Embora eu nunca tenha visto o pintor polaco, acho que prefiro o Volpi, o Goeldi, o Hélio Oiticica. Aliás, é um papo bom tentar entender as analogias entre o bem sucedido futebol brasileiro e as artes daqui(todas).

    Agora, o Pelé seria quem? O Picasso? O Mozart?

  2. Aliás, lá no Impedimento temos hoje mesmo uma tentativa de associar grandes escritores a clubes.

    Pelé pra mim seria o übermensch, mas tô fugindo das comparações que estão sendo feitas aqui. Na mesma linha, outro que ficou de fora é o Beckenbauer, que integra o segundo time alemão destruidor de coisas belas (o primeiro claro, foi o de 54), nesse sentido futebol abrange um debate estético que é bem abrangente, pela questão da quantificação proposta pelo placar. Mas isso parece prosa pra outro “post”.

  3. “abrange um debate estético que é bem abrangente”, haja abrangência, Vishnu!

  4. O Pelé é o Maurício de Souza. Ou vocês nunca leram o gibi do Pelezinho?

  5. hã…valeu gente! maradona é warhol e garrincha pollock muito bom. pelé cara…sei lá. ele é meio mão pesada o michelângelo né? pelo menos pra pintar…e é rompedor né…tipo o pelé mesmo. tem a coisa do picasso de querer ser melhor que todo mundo…mas é que eu não consigo ter opinião sobre esses caras que eu não vi no campo, sabe? tem a ver com afeto a minha escolha futebolística e pictórica. tanto que o rivaldo NÃO é o melhor desses futebolistas e é o que eu mais gosto. hummm. tago, vc tá certo com isso do rothko. além do que, tem um ruído da morte no rohtko, como o qe acompanha a carreira inteira do rivaldo. uma coisa de morte mesmo. acho que tem a ver. gostei.

  6. Então, o Pelé tem uma série de características michelangescas. O artesanato, a precisão (que deixa o não acabado desse modo porquê quer) e o futebol realizado quase como um ato de pensamento, sem resistência. Quando ele fala da linha reta e dos modos de tocar a bola no isso é pelé me faz muito lembrar o projeto michelangesco. Não sei. Posso estar falando besteira, mas foi algo meio imediato.

    Quanto ao Pollock e o Garrincha, pelas direções de um e de ooutro isso faz sentido, embora eu ache que dificilmente o Garrincha, se pintor, pintaria uma tela daquele tamanho. Essa do Maradona e do warhol eu não saquei, mas achei legal. Explica para nós Paulo.

  7. O Rafa tá muito abusado e brilhante! E esse negócio de futebol-arte vai dar ainda muito pano pra manga…Então vai aí uma questão pra todos: Qual seria o equivalente do Duchamp no futebol?

  8. O equivalente de Duchamp seria o vestiário, com seus imensos banheiros. Aquele branco é puro Duchamp.

  9. O duchamp é o careca. um idealista e um estrategista. podia ser também o van basten, mas acho que não.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s