Bad Trip

Não, o avião não caiu, mas os passageiros ficaram na lama
Não, este não é da Trip. O avião nem caiu, mesmo assim os passageiros ficaram na lama

Vai parecer chorinho de dondoca, mas não é. Na sexta e hoje eu passei muita raiva por causa de uma companhia aérea – a Trip Linhas Aéreas. Fui pro Rio na sexta e voltei hoje pra BH. Contrariando o conselho de um dos meus dois amigos experientes no mundo da aviação, não fui de ônibus. Deu no que deu…

Na ida, ainda na sexta-feira, eu cheguei no aeroporto na hora certa e tudo parecia correr bem. Não liguei nem pro atraso na sala de embarque, meia horinha é tranquilo e acontece em qualquer voo, ainda mais na sexta-feira com aeroporto lotado. Tava bem na boa.

O atraso foi se ampliando até que chegamos a uma hora. Tudo bem, podia ser um problema metereológico, um congestionamento de sexta-feira ou algo que o valha. Até que chamaram os passageiros. O voo estava programado pras 21h30. A essa altura do campeonato já era 22h10. Beleza, é meio chato, mas acontece.

Depois que entramos no avião é que a coisa começou a ficar esquisita. Todo mundo tinha se ajeitado sentadinho e uns vinte minutos tinham passado sem o avião sair do lugar. Rapidinho, um senhor perguntou bem bravo pra aeromoça o que tava acontecendo.

Olha o avião da Trip aí, esse aí me amolou nesses dias viu...
Olha o avião da Trip aí em cima, esse me amolou nesses dias viu...

A menina com sua roupinha toda azul e o cabelo bem arrumadinho parecia tão atordoada como nós. Poucos minutos depois, o piloto assumiu o papel que lhe cabia e avisou como se fosse um técnico de informática, desses que só fazem formatar discos rígidos:

– Gostaria de pedir desculpas aos nossos passageiros, mas aconteceu uma coisa estranha. Nosso plano de voo não está registrado. Estamos solucionando o problema e eu continuo passando informações …

Foi o homem desligar o seu radinho interno e veio um estrondo de schlec schlec schlec de gente tirando celular da calça ou da bolsa pra se queixar com o primeiro número à disposição. Até eu que não sou bobo, liguei pra minha namorada e avisei ela que eu ia demorar pra chegar no aeroporto Santos Dumont.

Do outro lado do corredor, uma gostosona dessas de academia reclamava com um possível namorado:

– Poxa vida Fernando, o  avião parado sei lá porque e ninguém aqui faz nada. Uma falta de respeito dessa e nada acontece. Brasil é foda viu.

Ela também, revoltada e desrespeitada, continuou sentadinha. Permaneceu expressando a indignação só ao seu digníssimo Fernando. Mas na sua opinião a culpa era da passividade dos seus companheiros nas poltronas ao redor e do país tropical, do gigante verde e amarelo como um todo. Outro dia na Internet também um sujeito veio reclamar do “brasileiro” por causa da comoção midiática pela morte do Michael Jackson.

Era um tal de brasileiro é muito burro, brasileiro é foda. Nem sabia que “o brasileiro” era responsável por tanta audiência global.

Um outro sujeito aproveitava pra colocar a culpa no Congresso; havia mais um falando da Embraer. Outro reclamava que o piloto era um babaca. O engraçado é que a danada da Trip passava incólume por tudo isso.

O setor privado para uma parte da população parece nunca ter nada a ver com as crises, escândalos e horrores nacionais.  A culpa é “do brasileiro”, é das pessoas que sentam ao lado no ônibus, no avião ou onde quer que seja – desde que não estejam na agenda do celular delas dos queixosos. A culpa é sobretudo das autoridades eleitas pelo voto popular. Os donos não têm nada a ver com isso.

Passou um tempo, e meia dúzia de passageiros, continuou reclamando pelas linhas telefônicas móveis, invocando persistentemente a sua distinção de quem tava de bico calado e de saco cheio.

Nesse meio tempo, o piloto continuava passando as suas sempre poucas informações e tentando alimentar os passageiros de esperança. A aeromoça, servia copinhos de água pra tentar esfriar a cabeça das pessoas. Até que uma hora e alguns minutos depois, ele avisou que o voo iria partir. Nessa hora – já às 23h10 – já não havia nenhum outro avião saindo de Confins. Todos haviam partido.

Com o trambolhão no ar, o pessoal ficou bem mais tranquilo. Já dava pra ver o Rio quando o piloto assumiu a sua narração mais uma vez:

– Alô, atenção passageiros, o aeroporto Santos Dumont encontra-se com um tráfego aéreo fora do comum, a gente vai ter que dar algumas voltas antes de pousar.

Beleza, tudo bem, vamo lá, já estávamos chegando e o que são umas voltinhas. O problema é que as voltinhas começavam a parecer uma viagem pra Vitória. Até que o piloto voltou a nos avisar que, depois de 20 minutos, a gente iria finalmente chegar no aeroporto.

Nessa hora, eu fiquei pensando que o João Paulo II devia voar pela Trip, por causa dessa mania dele de beijar o chão toda vez que o AeroPapa pousava. E foi o avião colocar as rodas no asfalto do Santos Dumont pra confusão voltar à tona. Ele aterrisou e foi direto pra uma das plataformas de desembarque.

Depois de uns dez minutos paradinho, o pessoal começou a estranhar por que não tinha chegado a escadinha e nem a sanfona que acolhe os passageiros.

E passou uns 15 minutos até que algum santo funcionário da Embraer Infraero (valeu Ceará!) se dignou a aproximar a sanfoninha do avião. A aeormoça abriu a porta, mas não deixou nem uma alma viva sair do voo. Daí o pessoal ficou macho.

Todo mundo já tava bastante impaciente e a aeromoça não queria deixar o pessoal passar. O piloto que não é bobo nem nada, nem deu as caras e o funcionário da Infraero parecia estar lhe passando um pito pela janelinha. Até que um pelotão avançado dos passageiros resolveu apelar para o direito de ir e vir. Foi todo mundo avançando e ignorando os apelos do funcionário do Santos Dumont.

Em meio a uma turba que queria desabafar, o sujeito da Infraero nos avisava que o voo da Trip, por causa do atraso excessivo, tinha sido mapeado para pousar no Galeão e não em Santos Dumont. Estávamos todos em um voo ilegal. No momento não havia nenhum funcionário da Trip no aeroporto e a gente não podia sair de lá. A aeromoça parecia desconsolada:

– Não tem ninguém da Tripí, ninguém da Tripí?

Nessa hora, até eu comecei a perder a paciência, próximo do estágio faniquito da namorada malhada do Fernando. Todo mundo estava a menos de vinte passos do desembarque do Santos Dumont. Obrigar os passageiros a voltar para aquele avião era cena digna de “Pague para entrar e reze para sair”.

Até entendo todas as implicações de um pouso não-autorizado (bagagens, lugar pra guardar o avião etc.). Mas o trambolho já estava lá. Que se passasse uma carraspana na Trip, que a companhia fosse multada por conduzir um voo ilegal, que se proibisse a empresa de voar, mas os passageiros tinham de sair.

Uma viagem que duraria uma hora já demorava quatro horas.

Até que por pressão, o pessoal da Infraero resolveu dar a colher de chá pro pessoal e liberou a saída dos passageiros. O clima de tensão foi aliviado pela chegada ao destino.O final de semana foi lindo.

Depois de toda essa série de navalhadas da Trip, eu imaginava que na volta, a empresa tentaria consertar todas as mancadas vividas pelos passageiros de sexta-feira. Mesmo por que, muita gente que viveu a emoção de sexta se preparava para mais uma aventura nas asas da companhia aérea (em todos os sentidos da palavra).

O voo estava marcado para às 6h30 dessa matina. Os passageiros deveriam estar lá uma hora antes pra fazer check in. Cheguei lá umas 5h32 e já tinha uma filona dos passageiros. O detalhe é que até o momento nenhum funcionário da Trip havia dado as caras no aeroporto Santos Dumont – acho que o aeroporto mais (perigosamente) central das grandes cidades brasileiras.

E assim continuou o branquíssimo drama, até 6h da manhã. A fila, a essa hora, já incomodava as outras companhias. E a certeza era de que o voo sairia atrasado, mas não tanto.

Superado o drama do check in. Umas 6h45 todos os passageiros estavam prontos pra ir embora. Mas não dava pra ser tão certinho assim. Passou 7h, 7h30, 8h, 8h30 e nada de informação e nem de ninguém pra nos falar quanto tempo a aeronave iria se atrasar. No meio tempo eu até subi no portão de embarque fui atrás de alguns responsáveis só pra me informar e nada, nada…

Deu 8h36, e apareceu a mesma mulher que estava emitindo os bilhetes há algumas horas atrás. Agora ela é que falava no microfoninho avisando que o embarque estava próximo. Ainda meio sonado, eu comecei a ficar meio com cagaço de subir no avião da Trip. Deu um medinho. Na minha cabeça passava: “agora só falta aquele acidentezinho, pra coroar a maturidade profissional da companhia; horrível…”

Mas a obrigação de bater o ponto falou mais alto. Embarquei no ônibus rumo ao avião da Trip, que ficava nos confins do Santos Dumont e adivinha o que aconteceu? O ônibus ficou vinte minutos parado, provocando um engarrafamento na pista de embarque e desembarque do aeroporto.

Eu comecei a procurar câmeras escondidas e esperar que no final o Gugu ou o Sílvio Santos viesse nos entregar algum brinde por ter participado dessa pegadinha. Ao mesmo tempo, pensei em um monte de coisas e tentando falar com minha namorada que a essa hora já devia ter chegado em São Paulo. Ela não atendia.

Voltou a paranoia: “se ela não atende, é por que o voo não chegou. Fodeu! Ai meu Deus do céu”.

Pensava nisso tudo, enquanto lia a Filoctetes, de Sófocles, tragédia do herói grego abandonado em uma ilha por Odisseu, Agamêmnom, Menelau e todo exército que caminhava para a guerra de Tróia. O sujeito foi deixado por dez anos em uma caverna com uma ferida purulenta que exalava um cheiro horrível. Nada menos apropriado para uma sala de espera.

Embarquei e mais uma vez o voo demorou a sair.  Era pra eu ter chegado às 7h30 da manhã. No ar, eu acabei apagando e só acordei com o pessoal comendo. Até um sanduichinho eles serviram.

Só coloquei o pé no aeroporto de Confins às 10h. Cheguei preocupado, com as unhas ruídas e sem chance de fazer uma cera em casa antes do trabalho. A Trip avacalhou umas boas horas de dois dias da vida de um punhado de gente. A Trip é uma merda, não voem pela Trip.

17 comentários sobre “Bad Trip

  1. Laurão, tudo bem, a dose foi forte, mas creio que vc queria dizer “Infraero” toda vez que escreveu “Embraer”…

  2. Tá corrigido. Desculpe a mancada! O homem tava reclamando da Embraer mesmo, mas o resto foi fruto da minha pura ignorança. Cearinho já tinha me corrigido tb. hehehe.

    Que viagem desgraçada, até eu que tô dando nó aqui fiz cagada nesse post. É bom mesmo ficar longe da Trip
    hehehehe.

  3. Caceta, que bad trip… [foi mal]
    Não achei que fosse possível ser pior que BRA, mas depois desse relato… Adorei a parte do “aconteceu uma coisa estranha”, ahahah.

    abs

  4. Enquanto eu sofria na sala de espera, olha o que o danado do Sófocles me escrevia:

    “Recorro a ti meu condutor e núncio!
    Tudo é perigo e risco nesta vida
    seja boa a maré, seja madrasta.
    Deve se acautelar o homem próspero,
    para evitar surpresas da desgraça.”

    Nessa ia unha, cutícula, dedo e o escambau…

  5. E ai? Ninguém botou a culpa no Lula não? Sempre tenho a impressão, nesses casos, de que ele é o culpado de todas as mazelas dos 500 e poucos anos do Brasil.

  6. E aí William, eu tava até me preparando pra ouvr do Lula, mas dessa vez a galera até deu um refresco pra ele viu, pelo menos na parte da frente do avião. Também chegu uma hora que eu parei de prestar atenção na choradeira da rapa. Na verdade a maior parte do pessoal ficou quieta. Tinha um ou outro gato pingado que ficava chorando, mas sempre naquele esquem dancing with myself de reclamação.

  7. Em Bh pra ser tri da Libertadores. Laurão, vamos encontrar? mande seus telefones pro meu e-mail porque to sem nenhum

  8. TRIP é a melhorrrrrrrrrrrr…..TRIP Linhas Aéreas, líder da aviação regional na América do Sul…. esse ai foi um pequeno problema em meio de tantos elogios que ja foi dado a elaaa….. VLWWWW GALERAAAA

  9. TRIP TRIP TRIP TRIP TRIPPPPPP;;;;;; EU AMO A TRIP….
    TRIP TRIP TRIP TRIP
    I LOVE YOU TRIPPPPPPPPPP

    TRIP
    TRIP
    TRIP
    TRIP

    EH NÓISSSSSSSSSSSSS

    TRIP
    TRIP
    TRIP
    TRIP NA CABEÇAAA

    TRIP TRIP TRIP TRIP
    EU AMO A TRIPP!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!!

  10. Neguinho é super rápido na resposta. O post já tem quase um ano. Nesse meio tempo, até eu viajei de Trip de novo, por falta de opção, diga-se.

    Engraçado tb que os dois fãs da Trip têm o mesmo IP, sei lá devem ser os sobrinhos caçulas do dono da firma.

  11. haha! alguma dúvida, lauro?

    ou então alguma agência ou alguém contratado pra falar bem da empresa na web.

    afe!

  12. Trip..é a melhor mesmooo..Não é a toa que é lider no voo regional…sua expansao aumenta a cada dia!
    Trip trip trip eu amo a trtip..Melhor serviço de Bordo e com funcionarios atenciosos!

    trip trip I LOVE YOU TRIP

    Os amigos ai de cima tem razaaooo!
    Trip na cabeça!

  13. Um (talvez dois) comentarista com o IP 189.29.59.94, de Araçatuba, veio aqui pra ofender o autor do texto acima (pois é, eu mesmo) e para fazer propaganda para a Trip assinado por pessoas sem sobrenome e com e-mails fake.

    Mandei ele (s) para spam e mandarei sempre que ele(s) entrar(em). Além dos péssimos serviços aéreos, a companhia tem uma péssima equipe de relações públicas. Não recomendo a ninguém o voo na ex-Total.

    E se entrar(em) com o mesmo papo ofensivo ou com textos abaixo do nível da pré-alfabetização. Esteja(m) certo(s) de que o comentário será apagado.E o pessoal que assina (…)_guararapes@hotmail.com já está bloqueado aqui.

    E de onde vc(s) veio (vieram) (172.21.0.1:8000) pouca gente vem aqui. Saiba disso montitor(es) de rede social. Um conselho, trabalhe a imagem da empresa onde ela vai bem. Onde ela vai mal, não crie mais atritos.

Os comentários estão desativados.