Vamos a la playa

Agora que estou chegando aos trinta, acho que estou ficando autorizado a lembrar de “velhos tempos”. Os filmes abaixo, exibidos em 1989 na extinta TV Manchete, são um registro de um país que, para bem ou para mal, não existe mais. Toda aquela indefinição dos anos entre a abertura e a democratização, a elaboração da Constituição, hiperinflação… em suma, um país em processo de desrecalque e, ao mesmo tempo, à beira do abismo. “Os pobres vão à praia” é um episódio clássico do saudoso “Documento especial”. Um programa que, assim como “Comando da madrugada” e, ainda, uma boa parte do cinema nacional da época, prezava pela ausência de frescura. Sem medo ou vergonha de ver o país como o país é.

4 comentários sobre “Vamos a la playa

  1. Tripinha, uhuuu, colocou papel!

    Numa boa, que horas que os caras desaprenderam tanto sobre o Brasil? O Documento Especial era bom demais. Programa interessado no país de um jeito curioso, feliz.
    Acho que falta muito esse tipo de gosto em ir descobrir as coisas no jornalismo, no documentário e na produção de cinema por aqui. É tudo auto-comiserativo, ou então aquele tom sarcástico de bukowskinhos da Vila Madalena dos que se interessam por pouca coisa além da imagem que eles vêem no espelho.
    Um lance massa do documento especial é que eles mostravam isso tudo com uma vontade de fazer um negócio legal sem essa coisa de ação social ou de sarcasmo descompromissado. A coisa era movida pela curiosidade mesmo.

  2. Nossa, eu era assíduo no documento especial. Gosto muito do programa. Lembro de uma reportagem excelente sobre uma cizânia dos religiosos da ayhuasca no Acre. Era uma forma de nos apresentar conflitos que não nos eram apresentados com facilidade. Nesse sentido, acho que eles eram uma variação do que o Globo repórter foi nos anos setenta. é uma pena que hoje, os especiais de reportagem querem cobrir mais o mundo animal que o mundo cão.

  3. Precisamos recuperar um texto antológico do Carlos Reichembach, que saiu no especial “Garganta profunda” do Planet Sex, sobre o apogeu e queda do filme pornô.

    Uma análise fina de como o pornô chegou ao auge e como decaiu com advento do VHS. E ainda vem uma antologia dos melhores filmes da história, com destaque para um certo “Ana, a obcecada”, de 1978.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s