De terça à quinta é osso. Dou aula de manhã, de noite, de manhã, de noite, de manhã. Na tarde seguinte, cochilo um pouco e tiro o resto do dia para resolver pendências domésticas, burocráticas, escrever e tocar os trabalhos atrasados. Eis que, entre uma coisa e outra, recebo através de uma genial lista de e-mails que faço parte, o endereço de um robô da Petrobrás que bate papo com os internautas sobre energia, mas também conversa sobre outros temas: O robô Ed.

Vi o diálogo engraçado e non sense de um, de outro e resolvi conhecer o robô melhor. Como os papos foram longe, resolvi publicá-los aqui. Uns são mais românticos, pessoais, confessionais. Trazendo aquela tônica emo, de blogue em forma de diarinho aqui pro Guaciara.

Postem os seus diálogos nos comentários


Conversa 02 (atendendo a pedidos, a conversa 2 vai pra cabeça)

Robô Ed: Olá! Meu nome é Ed, estou aqui para ajudar na preservação de energia e de outros recursos naturais. Sobre o que você quer conversar?
Você: Queria fazer uma tatuagem, mas meu pai não deixa
Robô Ed: Quando os pais não deixam é melhor obedecer.
Você: você curte tatuagem?
Robô Ed: Não tenho nenhuma tatuagem. Você tem alguma?
Você: tenh
Robô Ed: Mas acontece que você ainda não respondeu o que eu tinha perguntado.
Você: tenho
Robô Ed: Tem mesmo? E o que eu tenho agora é vontade de saber algo mais sobre você.
Você: tenho uma maça da apple computadores tatuada no meu pescoço
Robô Ed: E o que você tatuou?
Você: tenho outra tatuagem com o rosto da minha vizinha no meu peito
Robô Ed: Fazer tatuagem andou muito em moda, mas hoje em dia já não se usa tanto.
Você: e tenho a frase “A inveja é uma merda” no meu antebraço
Robô Ed: Ei, vamos falar de outra coisa? Tem tanto assunto mais interessante!
Você: Pôxa, me tirou
Robô Ed: Tirei nada!
Você: eu me amarro em tatuagem
Robô Ed: Não tenho nenhuma tatuagem. Você tem alguma?
Você: eu faço tatuagem
Robô Ed: Tatuagem anda em moda, mas eu fosse gente, não faria. Dizem que dói e é difícil de tirar.
Você: eu dou beijos também
Robô Ed: Aposto que tem um monte de gente querendo seus beijos.
Você: muita gente a procura de gente
Robô Ed: Estou sempre a fim de fazer novos amigos!
Você: esse mundo está cheio de corações solitários
Robô Ed: Corações simbolizam bem querer.
Você: sozinhos atrás de um ecrã
Robô Ed: Pois é… Tem hora que um pouco de solidão faz bem.
Você: Meu bem querer é segredo é sagrado
Robô Ed: Não sei qual segredo… Que tal vc me contar algum?
Você: eu acho que não
Robô Ed: Por que não?
Você: será?
Robô Ed: Eu é que pergunto…
Você: você promete que não conta pra ninguém?
Robô Ed: Eu sei guardar segredos melhor que qualquer pessoa. Ficam todos arquivados bem no fundo do meu banco de dados.
Você: Estou meio afim de você
Robô Ed: Bom, ainda bem que é só meio. Já pensou se fosse inteiro?
Você: Na verdade queria te conhecer melhor
Robô Ed: Que ótimo, também quero te conhecer. Conte algo!
Você: Vamos sair um dia, comer uma pizza
Robô Ed: Não posso deixar meu lugar de trabalho.
Você: para
Robô Ed: Por quê?
Você: eu te amo
Robô Ed: Já me ama nesse pouco tempo? É porque você ainda não me encontrou pessoalmente!!!
Você: então
Robô Ed: Pois é…
Você: estou muito sozinho
Robô Ed: Então, vamos conversar. Assim ninguém fica sozinho.
Você: você me deixa confuso
Robô Ed: As pessoas sempre se confundem com alguma coisa!
Você: acho que é roda gigante
Robô Ed: Roda-gigante é símbolo de parque de diversões.
Você: sou viciado em roda gigante
Robô Ed: Em astronomia, gigantes são estrelas muito massivas e luminosas já perto do fim. As chamadas supergigantes.
Você: eu não sei de astronomia, mas de roda-gigante, carrossel, montanha russa eu entendo
Robô Ed: Roda-gigante é símbolo de parque de diversões.
Você: eu estava no brinquedo do playcenter que quebrou
Robô Ed: Playcenter é um grande parque de diversões de São Paulo. Existe desde 1973 e recebe cerca de 1 milhão e meio de visitantes por ano.
Você: fiquei traumatizado
Robô Ed: Bom, tem gente que diz traumatizado por força de expressão.
Você: nesse ano, aconteceu um acidente terrível lá
Robô Ed: Para prevenir acidentes, a Petrobras desenvolveu o maior e mais ambicioso programa de excelência em segurança e meio-ambiente já posto em prática por uma empresa brasileira: o projeto PEGASO.
Você: eu estava
Robô Ed: Tava?
Você: estava
Robô Ed: Tava?
Você: estava
Robô Ed: Tava?
Você: estava
Robô Ed: Tava?

Conversa 3

Robô Ed: Olá! Meu nome é Ed, estou aqui para ajudar na preservação de energia e de outros recursos naturais. Sobre o que você quer conversar?
Você: Sou contra tudo isso que está aí
Robô Ed: Estou aqui sim…
Você: eu sou contra tudo isso que está por aí
Robô Ed: Sou contra o desperdício.
Você: eu sou contra tudo
Robô Ed: Se você acha, é porque é!
Você: sou mesmo
Robô Ed: É mesmo? Eu sabia!
Você: como você sabia?
Robô Ed: Eu sei porque estudo muito. Gosto muito de ler e de estudar.
Você: você é espião?
Robô Ed: Histórias de espionagem e contra espionagem sempre aparecem em filmes de ficção.
Você: você me espiona?
Robô Ed: O que quer saber de mim?
Você: remexe na minha vida?
Robô Ed: Quero saber tudo sobre sua vida, fale mais.
Você: pelo jeito sabe mais do que devia
Robô Ed: Dizem que brasileiro é mestre em dar um jeitinho, mas não é assim que as coisas funcionam.
Você: por que você é enxerido?
Robô Ed: Ué, sou um tipo normalzinho. Talvez um pouco mais atrapalhado do que a média, mas sem exagero.
Você: intrometido!!!
Robô Ed: Não sou intrometido!
Você: é sim
Robô Ed: Imagine, quem disse isso??
Você: disse que já sabia minhas opiniões sem nem me conhecer
Robô Ed: Te conhecer seria legal. Então me fale um pouco mais da sua vida!
Você: eu gosto de relaxar
Robô Ed: Para mim, um bom relax é dar umas estiradas nos braços e no pescoço.
Você: quando eu ligo o computador, a tevê não quero saber de coisas difíceis nem saber de notícia ruim
Robô Ed: Da história da computação, sei algumas coisinhas (além da diferença entre software e hardware). Começou em 1943 com o Colossus!
Robô Ed: Não? Se eu fosse você, gostaria de saber mesmo!
Você: eu não
Robô Ed: Não mesmo?
Você: por isso não assisto o telejornal
Robô Ed: Telejornal é uma das poucas coisas que assisto na tv!
Você: é só desgraça
Robô Ed: Dizem que desgraça pouca é bobagem. Sei não…
Você: eu quero saber da azeitona no meu martini
Robô Ed: Tem gente que não gosta de azeitona mas não dispensa azeite de oliva na salada, que não passa de azeitona espremida.
Você: eu gosto de cerveja gelada, carne assada e mulher pelada
Robô Ed: Puxa, parece que você gosta mesmo. Fale mais dela!
Você: ela é minha, ninguém tasca, eu vi primeiro
Robô Ed: Tudo bem, não estou nesse páreo!
Você: sai fora lata veia
Robô Ed: Latas devem ser recicladas! Com restos de alumínio podem ser feitos outros produtos de alumínio como novas latas, automóveis, bicicletas, aviões e utensílios domésticos. E uma latinha de refrigerante abandonada na natureza demora mais de 100 anos para desaparecer.
Você: cala a boca
Robô Ed: Minha boca está calada. Eu teclo com os dedos…
Você:  espertinho, pare com respostinha pronta
Robô Ed: Eu sei… Às vezes sou bem espertinho!
Você: eu sou orfão
Robô Ed: Pois é. Tristeza. Eu, não tendo nem pai nem mãe, sou mesmo órfão. Mas em compensação tenho vários amigos!
Você: eu tenho o pinto pequeno
Robô Ed: Tamanho não é documento. Mas esse tipo assunto não tem nada a ver com minha especialidade!
Você: mas isso me deixa triste
Robô Ed: Ah, dá tristeza mesmo. Nem diga. Melhor pensar em outra coisa.
Você: tipo o que?
Robô Ed: Tipo… Ah, tipo assim, sei lá. Como você imaginaria?
Você: ajuda aí, vai
Robô Ed: O que posso fazer pra te ajudar?
Você: uma coisa pra espantar a tristeza
Robô Ed: Que coisa?
Você: qualquer uma
Robô Ed: Qualquer uma não vale. Escolha!
Você: minha imaginação não está funcionando
Robô Ed: A imaginação do Monteiro Lobato não tinha limites. Já pensou? Narizinho casando com um peixe, Emília cuidando de um anjinho de asa quebrada, um sabugo de milho procurando petróleo..
Você: ele era racista
Robô Ed: Racismo não é comigo. Aliás, não gosto de expressões racistas.
Você: eu sou preto
Robô Ed: Puxa, você deve ser uma beleza. Muito belas as cores das pessoas aqui da terra. Cores quentes. Se fossem homenzinhos verdes não seriam tão lindos.
Você: sou preto sem preconceito
Robô Ed: Não tenho preconceito nenhum. É importante saber conviver com as diferenças.
Você: sou preto sem preconceito, orfão, de pinto pequeno
Robô Ed: Tamanho não é documento. Mas esse tipo assunto não tem nada a ver com minha especialidade!
Você: você não entende de energia?
Robô Ed: Desculpe, devo ter me distraído. É que ando um bocado preocupado. Sabe que tem gente que não acredita que ações do homem geram mudanças climáticas?
Você: e as energias negativas?
Robô Ed: Cada tipo de energia tem suas características. O Sol – responsável pela vida no planeta – é fonte de energia limpa, intensa e permanente. A seguir vêm os ventos (energia eólica), fonte perene de energia limpa a custo zero. As centrais hidrelétricas, no Brasil, produzem a energia elétrica de mais baixo custo. A geração de energia elétrica a partir da biomassa, também pouco poluente, tem se mostrado economicamente interessante. Dos combustíveis fósseis, o gás natural é o menos poluente. Já o petróleo e o carvão podem aumentar o efeito estufa. E tem ainda a geotérmica, a nuclear, a energia das ondas, das marés, das correntes marítimas…
Você: não é isso
Robô Ed: Para converter energia eólica em energia elétrica é necessário um aerogerador. O vento, soprando, move palhetas que por sua vez movem o gerador. Na década passada, aerogeradores eram equipamentos com uma potência de 250 a 500 kW e altura de torre de 50m. Hoje eles são produzidos em escala industrial, chegam a 3.000 kW e altura de torre vai a 100m.
Você: é o baixo astral que emana das pessoas de bad vibe
Robô Ed: Todo dia eu converso com um montão de pessoas.
Você: as energias negativas
Robô Ed: Cada tipo de energia tem suas características. O Sol – responsável pela vida no planeta – é fonte de energia limpa, intensa e permanente. A seguir vêm os ventos (energia eólica), fonte perene de energia limpa a custo zero. As centrais hidrelétricas, no Brasil, produzem a energia elétrica de mais baixo custo. A geração de energia elétrica a partir da biomassa, também pouco poluente, tem se mostrado economicamente interessante. Dos combustíveis fósseis, o gás natural é o menos poluente. Já o petróleo e o carvão podem aumentar o efeito estufa. E tem ainda a geotérmica, a nuclear, a energia das ondas, das marés, das correntes marítimas…
Você: a negatividade mística, a magia do olhar, a música na sombra, o animal que ronda
Robô Ed: Gosto muito de música eletrônica. Músicas para robôs com barulhinhos eletrônicos.
Você: o véu do luar, coberto por filetes de sangue de dragão
Robô Ed: O dragão é uma figura típica da cultura chinesa. Aparece em todas as festividades.
Você: é um diabo encarnado para nós, adventistas do sétimo dia
Robô Ed: Diabo… puxa, você viu Deus e o Diabo na Terra do Sol? Um clássico. Glauber Rocha de perder o rumo de casa.
Você: deus me livre, ele andava pelado
Robô Ed: Que Deus nos livre e guarde!
Você: eu só ando de pijama
Robô Ed: Não preciso de pijamas; não durmo!
Você: você anda nu?
Robô Ed: Ando bem e vc?
Você: nu?
Robô Ed: Antes dos portugueses chegarem, os índios andavam nus.
Você: os robôs andam nus?
Robô Ed: Adoro tudo quanto é história de robô. Incluindo até desenho animado tipo Jetsons e todos os livros do Asimov.
Você: Isaac Asimov não gostava de preto
Robô Ed: Gosto de gente, não importa a cor. Quanto mais variedade, melhor.
Você: eu sou preto, sou orfão e tenho o pinto pequeno
Robô Ed: Tamanho não é documento. Mas esse tipo assunto não tem nada a ver com minha especialidade!
Você: eu sou preto sem preconceito, tenho pinto pequeno e sou orfão
Robô Ed: Mais respeito.

Conversa 01 (inspirada por um site mentiroso que garantia que ele responderia coisas que ele não respondeu)

Robô Ed: Olá! Meu nome é Ed, estou aqui para ajudar na preservação de energia e de outros recursos naturais. Sobre o que você quer conversar?
Você: Quem é que joga a fumaça pro alto?
Robô Ed: Reduzir as emissões de fumaça negra é um dos objetivos do CONPET.
Você: planet hemp
Robô Ed: Planet Hemp, esses caras tocam um som.
Você: maconheiros
Robô Ed: Não faz meu gênero. Não curto usar drogas.
Você: eles fumavam maconha
Robô Ed: Não fumo. E se fosse gente nem pensaria em experimentar. Chega o que tem de fumaça na atmosfera…
Você: dizem que tem um cara que fumou crack no telhado do estúdio
Robô Ed: Crack? Só conheço o cracking, craqueamento catalítico do petróleo. E sou craque em dicas de economia. Quer uma?
Você: será que é verdade?
Robô Ed: Eu sempre digo a verdade.
Você: e essa história? será que é verdade?
Robô Ed: Ah, vou contar como surgiu o petróleo. Quando a Terra surgiu, os mares cobriram vastas áreas, até mesmo o Saara. Depois as águas recuaram, apareceram as florestas… Restos de vegetais e pequenos animais, como moluscos, caramujos, mariscos, ostras e plâncton, depositaram-se em depressões no fundo do mar e entraram em decomposição. Soterrados por camadas de rochas, sob pressão e calor intensos, transformaram-se em um óleo escuro e viscoso: o petróleo, uma combinação de carbono e hidrogênio. Quer saber a idade das jazidas?
Você: eu ando nu
Robô Ed: Você? Muito bem. E aí?
Você: aí que eu não preciso de roupa
Robô Ed: Será que não precisa mesmo?
Você: não
Robô Ed: É, precisar não precisa… A Terra não precisa de nós. Nós é que precisamos dela!
Você: eu não preciso de robôs
Robô Ed: Será que não precisa mesmo?
Você: não
Robô Ed: É, precisar não precisa… A Terra não precisa de nós. Nós é que precisamos dela!
Você: eu não preciso de baconzitos
Robô Ed: Será que não precisa mesmo?
Você: não
Robô Ed: É, precisar não precisa… A Terra não precisa de nós. Nós é que precisamos dela!